escola de criadores

Novembro 27, 2009

Todo professor  no início de sua trajetória escolar, pensar de maneira inovadora de mudar a situação do fracasso escolar no mundo.

 

 

ATIVIDADE AVALIATIVA

Novembro 27, 2009

ATIVIDADE SERVE COMO APOIO DE DESENVOLVILEMNTO DO  COGNITIVO DA CRIANÇA.

Novembro 26, 2009

conhecimento na escola

Novembro 26, 2009
A sala de aula é o lugar onde a diversidade cultural está presente. Considerando que o ensino da leitura ocorre na maioria das vezes por intermédio do livro didático, faremos uma análise do mesmo para verificar a forma com que o livro aborda a temática da diversidade cultural.

INTRODUÇÃO
O Livro didático desempenha um papel fundamental para o aprendizado do aluno, através de seu conteúdo que o professor desenvolverá entre outros recursos seu trabalho, portanto é essencial a escolha de bons livros que propiciem ao aluno uma visão crítica diante da sociedade.
Considerando a dificuldade que grande parte dos alunos apresentam em relação à compreensão de textos. Segundo Marcuschi (1996) “compreensão é um processo criador, ativo e construtivo que vai além da informação estritamente pessoal”. Desenvolvemos com os professores do 2° período de Letras a pesquisa de um livro didático analisando a forma que o livro trabalha a leitura dando ênfase ao tratamento dado
É preciso formar leitores críticos que saibam compreender e interagir com a leitura já que esta é o caminho para a construção do saber e do conhecimento que transforma e atua, assim estaremos contribuindo para a formação de cidadãos melhores e conscientes de seus valores na sociedade.
Portanto como objetivo de análise escolhemos o livro “Linguagem criação e interação” de Cássia Garcia de Souza e Márcia Paganine Cavéquia para alunos da 8° série. A escolha deste livro foi baseada no plano nacional de distribuição de livros e em discussões sala de aula pelos alunos do curso de Letras. Para a análise desta obra foi elaborado uma ficha de análise sumária com 3 perguntas e seus sub-itens.
Para a elaboração desta nos pautamos nos livros “Cultura um conceito antropológico” de Roque de Barros Laraia também tivemos contato com “A terra dos meninos pelados” de Graciliano Ramos lemos o livro e assistimos ao espetáculo televisivo produzido pela Rede Globo. No livro Graciliano Ramos aborda o tema da diversidade cultural.

Desenvolvimento: CONHECENDO O LIVRO DIDÁTICO

É preocupante, não só para os professores de língua portuguesa, perceber o desinteresse de seus alunos pela leitura talvez pela falta de maturidade, desejo, vontade para ler. Mais preocupante ainda é observar que nem sempre é apresentado nas atividades de leitura o diálogo que promova o respeito à diversidade cultural. “Segundo Laraia, cultura é um processo acumulativo, resultante de toda a experiência histórica das gerações anteriores. Esse processo limita ou estimula a ação criativa do individuo.”
Para formar cidadãos capazes de compreender os diferentes textos com os quais se defrontam, é preciso organizar um trabalho educativo de modo a permitir que experimentem e aprendam isso na escola, principalmente se os alunos não tem em contato sistemático com bons leitores. Quando não participam de práticas em que ler é indispensável, essa pode ser a única oportunidade de esses alunos interagirem com os textos cuja finalidade não seja apenas a resolução de problemas do cotidiano.”(PCN citado por Braga, Silvestre,2002,p.18).

Como bem nos apontam os PCNs, é preciso que os alunos tenham contato com diferentes tipos de textos e esse contato deve ser feito em grande parte na escola, via livro didático, isso é de fundamental importância para que o aluno possa entender e aprender com a intertextualidade, para que a leitura não de torne apenas um ato de decodificação, mas um ato de ampliação do conhecimento.
Nesse aspecto Regina Maria Braga e Maria de Fátima Silvestre explicam que:
“Se a intertextualidade não for abordada perde-se a riqueza das relações a leitura empobrece , Transforma-se em uma atividade limitadora.[…]. Se, no entanto a intertextualidade for trabalhada, o repertório de conhecimento do aluno com certeza se ampliará significativamente.” (Braga, Silvestre, 2002,p.32).
É interessante observar que as autoras do livro didático apresentam trabalho em relação à linguagem, dedicando um capítulo inteiramente para esse assunto, nele os alunos podem observar várias línguas como espanhol, alemão, inglês e fazer comparações com o português. Além disso em cada capítulo do livro é apresentado o sub-item ampliação de vocabulário, que possibilita ao aluno um maior aprendizado da língua e suas variantes.
Ainda no aspecto que se refere a estrutura textual do livro, constatamos que ele apresenta uma variedade de gêneros e tipos textuais, contos, poemas, artigos que abordam temas atuais ligados à sociedade como a questão do preconceito racial, arte, acontecimentos que marcaram a sociedade, tudo isso de forma tranqüila e principalmente dinâmica onde o conhecimento e as opiniões dos alunos são valorizados.Há ainda um trabalho com textos que antecedem a leitura levando o aluno a formular hipóteses e a colocar todo seu conhecimento prévio em prática, além disso são feitas perguntas inferenciais que possibilitam uma maior compreensão da leitura que foi feita.
“ Linguagem e realidade prendem-se dinamicamente. A compreensão do texto a ser alcançada por sua leitura crítica implica a percepção das relações entre o texto e o contexto.” (Freire, 1994,p. 19).
Nesse aspecto podemos observar a questão cultural, já que cada um vai analisar e compreender o texto de acordo com o que vivencia em deu cotidiano. Daí a visão bakhtiniana onde a sala de aula é uma arena de conflitos de vozes e valores diferentes. E isso tem que ser valorizado em sala de aula para que a diversidade não se torne apenas uma questão social, onde os indivíduos fiquem estagnados com seus saberes e suas opiniões guardados só para si. A diversidade cultural é para ser trabalhada, de forma a levar os alunos a um crescimento e a uma compreensão ampla e crítica dos acontecimentos que ocorrem em seu cotidiano.
Como já dissemos, o livro “Linguagem criação e interação “ apresenta uma variedade temática. Destacamos a questão do preconceito racial, as autoras abordam o tema de uma forma muito interessante principalmente quando trabalham o texto “ A dança da vida”, escrito por Heloisa Prieto, que mostra um pouco da cultura africana. É importante esse tipo de trabalho pois promove uma revisão de posturas preconceituosas e uma valorização da cultura do outro. Elas mostram ainda como a cultura africana está presente em nosso dia-a-dia, quando expõem palavras de origem africana que muitos de nós usamos constantemente.
Embora a questão da diversidade seja abordada no livro, é relevante considerar que o mesmo não traz temas nem textos que exponham a cultura popular, como cantigas, e histórias que relatem o folclore ou lendas ligadas à formação cultural do nosso país.
Mas, apesar disso, as autoras do livro didático, Cássia Garcia de Souza e Márcia Paganini Cavéquia, cumprem os objetivos que propuseram nas paginas iniciais e no titulo do livro, de apresentar a linguagem como forma de interação promovendo uma postura crítica dos alunos em relação aos acontecimentos vivenciados por eles.

CONCLUSÃO

A sala de aula é o lugar de acolhimento à diversidade, não podemos fazer dela um lugar unilateral, harmonioso pois assim estaremos negando a diversidade cultural presente nas salas de aula.
O livro didático é um dos caminhos par a construção do conhecimento, daí a importância do livro trabalhar a diversidade, dar valor aos diferentes saberes, valores e vozes que estão presentes nas salas de aula.È importante que o livro apresente propostas que valorizem o conhecimento do aluno, abordando temas que se façam presentes em seu cotidiano, principalmente no que diz respeito a correção de posturas preconceituosas acerca da diversidade cultural.
Em um país como o Brasil formado hidricamente desde sua origem, estabelecer uma cultura dominante seria desintegrar a identidade cultural do país. Para que isso não continue acontecendo o trabalho de valorização da cultura popular na escola é de fundamental importância, para formar cidadãos conscientes de seus direitos e deveres na sociedade

REFERENCIA BIBLIOGRÁFICA

COSTA Fernando Albuquerque. Diversidade Cultural e Educação.Disponível em: www.aulaintercultural.org, acesso em 09 de abril de 2008.

PCN.Disponível em: http://portal.mec.gov.br, acesso em 09 de abril de 2008.

Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento. www.unesco.org.br , acesso em 09 de abril de 2008.

PRAXEDES Walter. www.espacoacademico.com.br, acesso em 09 de abril de2008.

Módulo de Artigos

 

Navegue pelos artigos
Artigo prévio Heranças e lembranças de um golpe O processo de Implantação da Língua Espanhola nas Escolas Públicas Próximo artigo

DesagruparAgruparOcultar Antigos primeiroNovos primeiro  

Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Anonymous
Publicado: 01/01/2009 11:13  Atualizado: 01/01/2009 11:13
 
 Re: DIVERCIDADE CULTURAL E ESCOLA: UMA PARCERIA PARA O CR…
As idéias debatidas no texto são bastante relevantes cabendo, portanto, a correção do título que está prejudicando o artigo diverCidade CULTURAL E ESCOLA: UMA PARCERIA PARA O CRESCIMENTO E A COMPREENSÃO
  Responder

Enviado por Tópico
Anonymous
Publicado: 01/01/2009 11:23  Atualizado: 01/01/2009 11:23
 
 Re: DIVERCIDADE CULTURAL E ESCOLA: UMA PARCERIA PARA O CR…
Desculpaspelo anonimato do comentário anterior(descuido)Re: DIVERCIDADE CULTURAL E ESCOLA: UMA PARCERIA PARA O CR…
As idéias debatidas no texto são bastante relevantes cabendo, portanto, a correção do título que está prejudicando o artigo diverCidade CULTURAL E ESCOLA: UMA PARCERIA PARA O CRESCIMENTO E A COMPREENSÃOreinilde33@oi.com.br
  Responder

A sala de aula é o lugar onde a diversidade cultural está presente. Considerando que o ensino da leitura ocorre na maioria das vezes por intermédio do livro didático, faremos uma análise do mesmo para verificar a forma com que o livro aborda a temática da diversidade cultural.

INTRODUÇÃO
O Livro didático desempenha um papel fundamental para o aprendizado do aluno, através de seu conteúdo que o professor desenvolverá entre outros recursos seu trabalho, portanto é essencial a escolha de bons livros que propiciem ao aluno uma visão crítica diante da sociedade.
Considerando a dificuldade que grande parte dos alunos apresentam em relação à compreensão de textos. Segundo Marcuschi (1996) “compreensão é um processo criador, ativo e construtivo que vai além da informação estritamente pessoal”. Desenvolvemos com os professores do 2° período de Letras a pesquisa de um livro didático analisando a forma que o livro trabalha a leitura dando ênfase ao tratamento dado
É preciso formar leitores críticos que saibam compreender e interagir com a leitura já que esta é o caminho para a construção do saber e do conhecimento que transforma e atua, assim estaremos contribuindo para a formação de cidadãos melhores e conscientes de seus valores na sociedade.
Portanto como objetivo de análise escolhemos o livro “Linguagem criação e interação” de Cássia Garcia de Souza e Márcia Paganine Cavéquia para alunos da 8° série. A escolha deste livro foi baseada no plano nacional de distribuição de livros e em discussões sala de aula pelos alunos do curso de Letras. Para a análise desta obra foi elaborado uma ficha de análise sumária com 3 perguntas e seus sub-itens.
Para a elaboração desta nos pautamos nos livros “Cultura um conceito antropológico” de Roque de Barros Laraia também tivemos contato com “A terra dos meninos pelados” de Graciliano Ramos lemos o livro e assistimos ao espetáculo televisivo produzido pela Rede Globo. No livro Graciliano Ramos aborda o tema da diversidade cultural.

Desenvolvimento: CONHECENDO O LIVRO DIDÁTICO

É preocupante, não só para os professores de língua portuguesa, perceber o desinteresse de seus alunos pela leitura talvez pela falta de maturidade, desejo, vontade para ler. Mais preocupante ainda é observar que nem sempre é apresentado nas atividades de leitura o diálogo que promova o respeito à diversidade cultural. “Segundo Laraia, cultura é um processo acumulativo, resultante de toda a experiência histórica das gerações anteriores. Esse processo limita ou estimula a ação criativa do individuo.”
Para formar cidadãos capazes de compreender os diferentes textos com os quais se defrontam, é preciso organizar um trabalho educativo de modo a permitir que experimentem e aprendam isso na escola, principalmente se os alunos não tem em contato sistemático com bons leitores. Quando não participam de práticas em que ler é indispensável, essa pode ser a única oportunidade de esses alunos interagirem com os textos cuja finalidade não seja apenas a resolução de problemas do cotidiano.”(PCN citado por Braga, Silvestre,2002,p.18).

Como bem nos apontam os PCNs, é preciso que os alunos tenham contato com diferentes tipos de textos e esse contato deve ser feito em grande parte na escola, via livro didático, isso é de fundamental importância para que o aluno possa entender e aprender com a intertextualidade, para que a leitura não de torne apenas um ato de decodificação, mas um ato de ampliação do conhecimento.
Nesse aspecto Regina Maria Braga e Maria de Fátima Silvestre explicam que:
“Se a intertextualidade não for abordada perde-se a riqueza das relações a leitura empobrece , Transforma-se em uma atividade limitadora.[…]. Se, no entanto a intertextualidade for trabalhada, o repertório de conhecimento do aluno com certeza se ampliará significativamente.” (Braga, Silvestre, 2002,p.32).
É interessante observar que as autoras do livro didático apresentam trabalho em relação à linguagem, dedicando um capítulo inteiramente para esse assunto, nele os alunos podem observar várias línguas como espanhol, alemão, inglês e fazer comparações com o português. Além disso em cada capítulo do livro é apresentado o sub-item ampliação de vocabulário, que possibilita ao aluno um maior aprendizado da língua e suas variantes.
Ainda no aspecto que se refere a estrutura textual do livro, constatamos que ele apresenta uma variedade de gêneros e tipos textuais, contos, poemas, artigos que abordam temas atuais ligados à sociedade como a questão do preconceito racial, arte, acontecimentos que marcaram a sociedade, tudo isso de forma tranqüila e principalmente dinâmica onde o conhecimento e as opiniões dos alunos são valorizados.Há ainda um trabalho com textos que antecedem a leitura levando o aluno a formular hipóteses e a colocar todo seu conhecimento prévio em prática, além disso são feitas perguntas inferenciais que possibilitam uma maior compreensão da leitura que foi feita.
“ Linguagem e realidade prendem-se dinamicamente. A compreensão do texto a ser alcançada por sua leitura crítica implica a percepção das relações entre o texto e o contexto.” (Freire, 1994,p. 19).
Nesse aspecto podemos observar a questão cultural, já que cada um vai analisar e compreender o texto de acordo com o que vivencia em deu cotidiano. Daí a visão bakhtiniana onde a sala de aula é uma arena de conflitos de vozes e valores diferentes. E isso tem que ser valorizado em sala de aula para que a diversidade não se torne apenas uma questão social, onde os indivíduos fiquem estagnados com seus saberes e suas opiniões guardados só para si. A diversidade cultural é para ser trabalhada, de forma a levar os alunos a um crescimento e a uma compreensão ampla e crítica dos acontecimentos que ocorrem em seu cotidiano.
Como já dissemos, o livro “Linguagem criação e interação “ apresenta uma variedade temática. Destacamos a questão do preconceito racial, as autoras abordam o tema de uma forma muito interessante principalmente quando trabalham o texto “ A dança da vida”, escrito por Heloisa Prieto, que mostra um pouco da cultura africana. É importante esse tipo de trabalho pois promove uma revisão de posturas preconceituosas e uma valorização da cultura do outro. Elas mostram ainda como a cultura africana está presente em nosso dia-a-dia, quando expõem palavras de origem africana que muitos de nós usamos constantemente.
Embora a questão da diversidade seja abordada no livro, é relevante considerar que o mesmo não traz temas nem textos que exponham a cultura popular, como cantigas, e histórias que relatem o folclore ou lendas ligadas à formação cultural do nosso país.
Mas, apesar disso, as autoras do livro didático, Cássia Garcia de Souza e Márcia Paganini Cavéquia, cumprem os objetivos que propuseram nas paginas iniciais e no titulo do livro, de apresentar a linguagem como forma de interação promovendo uma postura crítica dos alunos em relação aos acontecimentos vivenciados por eles.

CONCLUSÃO

A sala de aula é o lugar de acolhimento à diversidade, não podemos fazer dela um lugar unilateral, harmonioso pois assim estaremos negando a diversidade cultural presente nas salas de aula.
O livro didático é um dos caminhos par a construção do conhecimento, daí a importância do livro trabalhar a diversidade, dar valor aos diferentes saberes, valores e vozes que estão presentes nas salas de aula.È importante que o livro apresente propostas que valorizem o conhecimento do aluno, abordando temas que se façam presentes em seu cotidiano, principalmente no que diz respeito a correção de posturas preconceituosas acerca da diversidade cultural.
Em um país como o Brasil formado hidricamente desde sua origem, estabelecer uma cultura dominante seria desintegrar a identidade cultural do país. Para que isso não continue acontecendo o trabalho de valorização da cultura popular na escola é de fundamental importância, para formar cidadãos conscientes de seus direitos e deveres na sociedade

REFERENCIA BIBLIOGRÁFICA

COSTA Fernando Albuquerque. Diversidade Cultural e Educação.Disponível em: www.aulaintercultural.org, acesso em 09 de abril de 2008.

PCN.Disponível em: http://portal.mec.gov.br, acesso em 09 de abril de 2008.

Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento. www.unesco.org.br , acesso em 09 de abril de 2008.

PRAXEDES Walter. www.espacoacademico.com.br, acesso em 09 de abril de2008.

Módulo de Artigos

Navegue pelos artigos
Artigo prévio Heranças e lembranças de um golpe O processo de Implantação da Língua Espanhola nas Escolas Públicas Próximo artigo

DesagruparAgruparOcultar Antigos primeiroNovos primeiro  

Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Anonymous
Publicado: 01/01/2009 11:13  Atualizado: 01/01/2009 11:13
 
 Re: DIVERCIDADE CULTURAL E ESCOLA: UMA PARCERIA PARA O CR…
As idéias debatidas no texto são bastante relevantes cabendo, portanto, a correção do título que está prejudicando o artigo diverCidade CULTURAL E ESCOLA: UMA PARCERIA PARA O CRESCIMENTO E A COMPREENSÃO
  Responder

Enviado por Tópico
Anonymous
Publicado: 01/01/2009 11:23  Atualizado: 01/01/2009 11:23
 
 Re: DIVERCIDADE CULTURAL E ESCOLA: UMA PARCERIA PARA O CR…
Desculpaspelo anonimato do comentário anterior(descuido)Re: DIVERCIDADE CULTURAL E ESCOLA: UMA PARCERIA PARA O CR…
As idéias debatidas no texto são bastante relevantes cabendo, portanto, a correção do título que está prejudicando o artigo diverCidade CULTURAL E ESCOLA: UMA PARCERIA PARA O CRESCIMENTO E A COMPREENSÃOreinilde33@oi.com.br
  Responder

Resenha do filme piratas da informática

Novembro 12, 2009

Resenha do filme piratas da informática

 O Filme nos relata uma história real de alguns jovens fascinados pelo mundo da informática que driblaram todas as dificuldades possível para se tornaram os grandes fundadores de programas e computadores do mundo todo. Steve Jobs o representante da Aplle criava programas e computadores , onde o ponto principal era ter em mão sistemas operacionais que revoluciona -se o mundo da informática, porém Bill Gates o representante da Microsoft investia em programas da software , com intuito apenas , em fechar grandes negócios . 

Com a expansão da Aplle no mundo dos negócios , gerasse uma grande disputa com a Microsoft onde Gates consegue convencer Jobs a partilhar suas ideias , que mais tarde iriam se expandir no mundo da informática , Foi o que aconteceu com o passar dos tempos quem foi privilegiado e ganhou a honra foi Gates. Porém o anseio de Gates em ser o dominador do mundo da informática fez que o mesmo pirateando empresas de grandes nomes tais como: XEROX entre outras. O mesmo apenas se preocupava em lucros , fama e glória.

 O que marcou na história foi o grande trajetória de Bill Gates introdutor da informática até os dias atuais.piratasdainformatica2

Outubro 9, 2009

luciana é linda demais.   google


ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO USO DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO

Outubro 2, 2009

Com a chegada da tecnologia a nossa sociedade tem se modificado constantemente

especialmente quando a mesma se enquadra a informática na educação , onde professores e alunos estão em busca de conhecimentos constantemente . primeiramente o professor tem que motivar seus alunos a se tornarem cidadãos criticos , transformadores e não atos a uma alienação de conhecimento que a sociedade capitalista enfoca para a classe menos favorecida. o mesmo deverá usar a internet de forma acessivél a todos os alunos, ou seja trabalhar com textos, imagens, apostilas onde os alunos tenham acesso para então acontecer uma mediação de conhecimento .A internet não traz beneficios apenas ao professor e o aluno , mas pode ser usada como troca de experiências de professores de diversas disciplinas , onde os mesmo compratilham seus conhecimentos contribuindo tanto para a construção do cidadão critíco transformar a escola numa produtora de conhecimento.

http://www.serprofessoruniversitario.pro.br/ler.php?modulo=18&texto=1744

Hello world!

Outubro 1, 2009

Welcome to WordPress.com. This is your first post. Edit or delete it and start blogging!